Total de visualizações de página

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Discovery - Evolução Pela Alimentação (04/05)

Sister Act- I Will Follow Him- Finale



domingo, 13 de novembro de 2011

entrega do peixe que recebo do Ceagesp todas as semanas

Meus trabalhos.AVI



MOV00003

MOV00001



sábado, 1 de outubro de 2011

Os Outros Nostradamus - Parte 1 - Dublado (The History Channel)

Extraño Animal Raro Filmado

Bebe Raro inexplicable

Saiba porque as mulheres preferem ficar solteiras.wmv

As 10 privadas mais estranhas do mundo.

O Mais Temido Assassino da Austrália

COBRAS X COBRAS GIGANTES E VENENOSAS.

Peixe assassino cabeça de cobra assusta biólogos na Austrália "Fishzilla"

TUBARÃO PRÉ-HISTÓRICO NAS ÁGUAS DO JAPÃO

Estranhas criaturas encontradas após o tsunami!

2012 tera tragédias verdade ou mentira as aparições estranhas na meteoro...

6 SEIS BILHÕES DE MORTOS EM 2012

Segredos da NASA, Nasa secrets

Video Proibido pela NASA / Forbidden NASA´s Video

2012 - fim do mundo (profecia maia) Simulação

Foto da NASA mostra ET em Marte? [BAND NEWS]

Confirmado pela rede Globo suposto Ovini na terra

2012 Fim do Mundo? Parte (1) - Profecias - (legendado, traduzido)



segunda-feira, 4 de julho de 2011

Produção Orgânica -Terra Sul (31/05/2008)

Dr. Bactéria dicas de higiêne para nossa saúde.(parte 1)

HIGIENIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA GELADEIRA (Alternativa Saúde)

Receitas Sadia | Biscoitos Amanteigados

Receitas Sadia | Bolo de Laranja

Receitas Sadia | Brownie de Chocolate

Receitas Sadia | Risoto de Ervilha Torta e Presunto

Receitas Sadia | Palitinhos de Queijo

Receitas Sadia | Filé de Peixe com Ervas e Arroz com Gengibre

Receitas Sadia | Cappelletti ao Pesto

Receitas Sadia | Saltimboca de Presunto e Manjericão

Receitas Sadia | Pão Rápido de Parmesão e Orégano

Receitas Sadia | Carolinas

Receitas Sadia | Penne al Limone

Receitas Sadia | Filezinhos Aromáticos

Receitas Sadia | Cookies

Receitas Sadia | Tábua Gourmet

Receitas Sadia | Frango Recheado

Receitas Sadia | Tecnicas para um Lombo macio e suculento

Receitas Sadia | Cozido de Batata Doce e Linguiça

Receitas Sadia | Picadinho Indiano

Receitas Sadia | Guisado de Lentilhas

Receitas Sadia | Creme de Grão de Bico

Receitas Sadia | Guisado de Lentilhas

Receitas Sadia | Polenta com Ragu de Mortadela

Receitas Sadia | Crepes Coloridos

Receitas Sadia | Lombo Recheado com Cebolas e Damascos Caramelizados

Receitas Sadia | Empadinha de Queijo

Receitas Sadia | Maçãs Recheadas

Receitas Sadia | Porquinho Sujo

Receitas Sadia | Pot Pie de Presunto e Alho Poró

Receitas Sadia | Torta Mousse de Chocolate

Receitas Sadia | Escondidinho de Abóbora e Frango Defumado

Receitas Sadia | Marinados com Polenta de Gorgonzola

Receitas Sadia | Farofa Qualy

Receitas Sadia | Pudim de Pão

Receitas Sadia | Trufas de Chocolate

Receitas Sadia | Massa para Salgadinho

Receitas Sadia | Vol-au-Vent de Palmito e Parma

Receitas Sadia | O Segredo do Bife

Receita de Lasanha

Receita de Lasanha

Receita de Strogonoff de Frango

Vídeo Receita - Feijão Tropeiro

Vídeo Receita - Como Grelhar Peixes

Knorr / O chef destaca - Peixada de Forno

Knorr / Homem na Cozinha / Rosbife Caseiro

Rosbife ao molho madeira

Risoto Caipira

Risoto Básico

Chef Taíco - Risoto de Camarão

Chef Taico - Arroz com Suan e Pinhão

Chef Taico - Bolinho de Bacalhau

Culinária em Dia - Torta de Frango

Culinária em Dia - Torta de Frango

Vamos agitar esta página fique atento

Vamos agitar esta página fique atento, sim eu sei.....são milhares de páginas e 160 blogs mas  estamos engatinhando ainda! Bem vindos

sábado, 2 de julho de 2011

Torta de frango




Como fazer Torta de Liquidificador



quinta-feira, 16 de junho de 2011

PARTE 2 EL BIOCARBONATO CURA EL CANCER.wmv










PARTE 2 EL BIOCARBONATO CURA EL CANCER.wmv

@ El Bicarbonato Cura el Cancer










quinta-feira, 12 de maio de 2011

Novidades

Aguardem novidades aqui

quinta-feira, 27 de maio de 2010

ESPERO CONTRIBUIR DE ALGUMA FORMA


                                      Fica sempre um pouco de perfume nas mãos de quem oferece rosas (...)






Leia com atenção



Estranho caso clínico



O parto foi através de cesariana, pois até a data prevista 31/3 não houve sinais, então optamos pela cirurgia.



Pedro nasceu muito bem. Chorou logo e teve nota 9 de Apgar.



Nasceu com 48 cm e pesou 3,430kg.



Seu primeiro ano de vida foi ótimo, com desenvolvimento perfeito e nenhuma doença.



Sentou com cinco meses, andou com 11 meses, disse as primeiras palavras com 7 meses e antes disso já emitia sons naturais de um bebê.



Com um ano e dois meses, certa tarde durante o sono, Pedro acordou

assustado como estivesse se engasgando.



Isso se repetiu por mais alguns dias até que fomos ao médico.



Este viu uma crise, suspeitou de refluxo-gastresofágico e solicitou alguns exames.



Nesta época, estas crises aconteciam mais ou menos 10 vezes ao dia e duravam aproximadamente 15 segundos.



Como os exames não acusaram nada, por indicação do médico, procuramos um neurologista infantil que disse tratar-se de crises convulsivas.



Fizemos um primeiro eletro encefalograma que foi normal.



Procuramos o Dr.Salomão Schwartzmam, que o avaliou e considerou-o logicamente perfeito.



Nesse período, as crises aumentavam em quantidade e intensidade.



Assim, em agosto de 90 ele foi internado na UTI pela primeira vez com aproximadamente uma crise a cada 3 minutos.



Ficou no Hospital 20 dias e saiu com as crises mais controladas. Fez uma Tomografia Computadorizada que foi normal.



O segundo eletro acusou foco irritadiço do lado direito cérebro.



Apesar de tudo isso, seu desenvolvimento continuava normal, porém mostrava-se mais sonolento.



As crises continuavam; eram crises mistas.



Em outubro de 90, percebemos que ele estava sorrindo menos, chorando menos e que quando sorria, o lado esquerdo de seu rosto parecia paralisado.



Em novembro de 90, percebi que ele usava menos o braço esquerdo. Os médicos chamaram de seqüelas. Em dezembro de 90, fizemos uma ressonância magnética de crânio, um exame de Fundo de Olho alguns exames para detectar erros inatos do metabolismo. Todos os exames foram normais.



Nessa época, ele já apresentava dificuldade para caminhar e falava menos. Mantinha uma média de mais ou menos 20 crises por dia.



No decorrer de sete meses mudamos de médicos por diversas vezes vários anticonvulsivantes foram testados.



Porém o efeito nunca era totalmente satisfatório.



E esteve internado mais duas vezes para controlar crises mais frequêntes Em janeiro de 91, Pedro foi internado mais uma vez e saiu do hospital sem andar, sentar ou falar.



Em fevereiro, novamente foi internado com crises muito fortes, ficou 20 dias no Hospital.



As crises já duravam 1 min, manifestando-se a cada 10 min.



Nessa ocasião, foi medicado com cortisona e fez vários exames de Metabolismo, porém nada foi encontrado...



A habilidade motora dele ficou debilitada.



Quando teve alta, não segurava a cabeça, não sentava sozinho e parecia não reconhecer ninguém, além de não fixar o olhar em nada.



O tempo foi passando, e com seções de fisioterapia e muito carinho Pedro foi conseguindo alguns pequenos progressos.



Continuávamos nossa maratona em médicos e exames, porém nada acontecia.



Suas crises ficaram um pouco mais controladas, manifestando-se somente durante o sono, aproximadamente 8 episódios por noite, com duração de cerca de 1 min.



No final de 95, ele ficou alguns dias consecutivos sem apresentar crises.

Nestes últimos anos, repetiu alguns exames, porém nada de novo foi encontrado.



Teve complicações pulmonares e tomou muito antibiótico. Nos últimos meses de 95, Pedro readquiriu o controle da cabeça e ganhou maior firmeza no tronco.



Passou a fixar o olhar nas pessoas e objetos, porém ainda não manifestando desejo de pegá-los.



Seu rosto ficou mais expressivo, apesar de ainda não rir ou chorar.



Em janeiro de 96, repetimos a Ressonância Magnética que se apresentou tal e qual a anterior, segundo o médico que assinou o laudo.



O Dr. Fernando Arita, seu médico atual, diagnosticou que Pedro tem um cérebro um pouco menos denso do que uma criança de 7 anos.



Repetimos também o eletro encefalograma, que se apresentou bem melhor que o anterior, com crises mais localizadas. Fizemos também, um estudo

de Cariótipo (pai, mãe e filho) com a Dra.Rita de Cássia Stoco e nada foi encontrado.



Disse suspeitar de Doenças Mitocondriais e sugeriu que fizéssemos um estudo de DNA. Foi feita também, uma dosagem de aminoácidos no sangue e

cromatografia de açúcares na urina.



Atualmente, Pedro mantém cerca de 4 crises convulsivas durante o sono, principalmente a partir das horas da madrugada. Em suas crises estica

braços e pernas, gira a cabeça para a esquerda e chora..



Duram cerca de 45 segundos. Sua atenção continua fixa nas pessoas e objetos, porém não se movimenta espontaneamente.



Readquiriu razoável controle de tronco, porém não senta, não fica em pé, não fala, não sorri ou chora.



De dois anos para cá, desenvolveu uma escoliose bastante preocupante. Está medicado com Rivotril, Valpakine e Tryleptal.



Pedro, atualmente, está com 15 anos. Durante todos estes anos, não encontramos uma resposta para o que acontece com Pedro, e, também nunca

encontramos alguém com problema semelhante para trocar experiências.



Se você puder ajudar, se for médico ou já conheceu alguma criança com o mesmo problema, por favor, nos escreva.



Se não, passe essa mensagem para frente para que encontre o destino certo.



Muito Obrigado,



Liane e Manoel.



Nosso endereço: Rua Conselheiro Brotero, 1559 apto 134 CEP 01232-011 São

Paulo - SP - BRASIL

Fone: (11) 3662.4826



PS: O simples fato de repassar esta mensagem, já é por si só, um ato de solidariedade. Peço a todas as pessoas que receberam esta mensagem que, por favor, tentem se conscientizar da necessidade que nós, seres

humanos,temos de receber a ajuda um do outro.



Enviem essa mensagem para todas as pessoas da sua lista, desde aquela que você escreve todos os dias, até a pessoa que você não escreve há muito tempo...



Assim poderemos, quem sabe, ajudar essa família...



'Fica sempre um pouco de perfume nas mãos que oferecem rosas (...)

quarta-feira, 12 de maio de 2010


Contador a hora do planeta




Não acho justo usarmos e não divulgarmos os trabalhos lindos da Silmara Blogs


                          http://silmaralayout.blogspot.com/2009/08/como-colocar-top-de-comentarios-em-se.html
 Vasculhe
 Veja que trabalhos  lindos  os  dela

http://silmaralayout.blogspot.com/
 Clik  Aqui e entre  no mundo da Magia

terça-feira, 11 de maio de 2010

Roupinha Nova Do Mapa


    
                                                    Era uma vez um pássaro de duas cabeças que vivia no Himalaia. Certo dia, uma das cabeças, vendo a outra comer uma doce fruta e sentindo-se enciumada, disse a si mesma : "Agora vou comer uma fruta venenosa".





Assim, comendo o veneno, todo o pássaro morreu.





Certa vez, a cauda e a cabeça de uma cobra discutiam para ver quem deveria tomar a dianteira.



A cauda disse à cabeça: "Você sempre está tomanda as rédeas; isto não é justo, você deve me deixar, às vezes, conduzir."





A cabeça respondeu à cauda: "É lei da nossa natureza que eu seja a cabeça; não posso trocar de lugar com você."





A briguinha continuava e, um dia, o rabo se fixou numa árvore, impedindo assim que a cabeça prosseguisse.



Quando a cabeça se cansou da luta, o rabo seguiu o seu caminho. Como resultado, a cobra caiu numa cova de fogo e pereceu.





No mundo da natureza, sempre existe uma ordem adequada e cada coisa tem a sua própria função. Se esta ordem for perturbada, o funcionamento será interrompido e todo o conjunto desmoronará.







O CASTELO ENCANTADO

No capítulo sétimo "KEJOYU" (Parábola do Castelo Encantado), Sakyamuni inicia contando a história de um Buda chamado Daitsu (ou Daitsuticho) que viveu em uma terra chamada Kojo (Bem Completa), na época Daisso (Grande Forma), em um tempo chamado sanzen-jintengo (ou seja, uma época situada a cerca de três mil aeons vezes dezesseis milhões de anos, portanto no remotíssimo passado).





Esse Buda Daitsu que era pai de dezesseis filhos, atingiu a iluminação e foi homenageado pelos filhos que imploraram para que o pai lhes ensinasse a Lei, para a salvação deles e das outras pessoas, de forma que pudessem obter a Sabedoria.





O Buda então pregou o Sutra de Lótus para os filhos e as pessoas, durante muitíssimo tempo. Todos os filhos acreditaram e praticaram, enquanto muitas das outras pessoas tiveram dúvidas.





O Buda Daitsu, então, após deixar a profunda meditação, dirigiu-se à audiência dizendo : "Estes dezesseis Bodhisattvas de excelente sabedoria empreenderam uma dificílima prática numa existência prévia da vida. Quem acreditar e acalentar a Lei que eles expõem atingirá a iluminação".



O Buda Sakyamuni, então, continua (no sétimo capítulo do Sutra de Lótus) dizendo que todos aqueles Bodhisattvas já atingiram a iluminação, como Budas, e que estão ensinando a Lei em seus próprios mundos.





E acrescenta que o décimo-sexto filho é ele próprio, Sakyamuni. Aqueles que o haviam ouvido pregar, desde aquela época remota de sanzen jintengo, e tiveram fé no Sutra de Lótus, dividiram-se em dois grupos.





O primeiro foi constituído por aqueles que continuaram a prática e atingiram a iluminação. O segundo grupo abandonou, mais tarde, a fé no Sutra de Lótus e aceitou ensinos budistas inferiores.





Estes últimos foram aqueles que renasceram como discípulos de Sakyamuni, na Índia, para ouví-lo pregar novamente o Sutra de Lótus e recuperar a fé, para atingir a iluminação.



Assim, Sakyamuni relata a parábola do castelo encantado e da terra do tesouro:



"Existiu, certa vez, uma terra do tesouro num lugar muito distante. A estrada que lhe dava acesso era terrível e era quase impossível caminhar por ela. Certo dia, um grupo de pessoas resolveu ir a essa grande terra. Junto a eles, ia um excelente guia conhecido pela sua sabedoria e familiaridade com a estrada.





Seu único desejo era superar todas as dificuldades ao longo do caminho e levar as pessoas ao seu destino, em segurança. Durante a viagem, entretanto, as pessoas ficaram cansadas e disseram ao guia:





* "Estamos exaustos e esta estrada é horrível. O destino é muito distante para ser alcançado. Queremos voltar para casa".





Ouvindo-os reclamar, o guia percebeu que seria terrível se as pessoas desistissem no meio do caminho, sem ver a terra. E assim, com poderes místicos, o guia fez um castelo encantado aparecer diante do grupo, e disse:



* "Não percam a coragem. Não é preciso voltar. Vejam o castelo diante de vocês. Depois de entrar, terão paz e segurança."





Animados, eles disseram:



* "Nunca vimos um castelo tão esplêndido. Agora podemos descansar e esquecer as nossas preocupações."





Com muita vontade, entraram no castelo encantado e descansaram, convencidos de terem encontrado a verdadeira felicidade.





Logo, eles recuperaram os ânimos, mas então, para assombro de todos, o guia fez o castelo encantado desaparecer. Ele disse:





* "Vamos partir. O verdadeiro tesouro não está longe. O castelo onde acabam de repousar é apenas uma ilusão que criei para vocês descansarem."



E assim, o grupo pode continuar a viagem, pela difícil estrada, em direção à terra dos tesouros."



EXPLANAÇÃO

Depois de contar a parábola, Sakyamuni explicou o significado. Ele disse que o guia representa o Buda. O Buda orienta as pessoas que trilham os maus caminhos da vida, para que elas possam atingir a iluminação.





Se as pessoas ouvissem apenas o ensino do supremo veículo (o Estado, ou Caminho, ou Veículo da Budicidade --- veja, neste site a respeito da Filosofia e Princípios Básicos do Budismo) iriam pensar:





" O caminho para o Estado de Buda é muito distante. Teremos que nos esforçar dolorosamente, por longo tempo, a fim de conseguí-lo". O Buda Sakyamuni entendia as pessoas e procura dar-lhes descanso durante o caminho.



Portanto, neste capítulo sétimo, Sakyamuni define o castelo encantado como um meio (um expediente) para conduzir as pessoas à terra do tesouro (Estado de Buda), onde podem gozar felicidade absoluta.





Ou seja, o castelo encantado representa os ensinos dos três veículos (Estados de Erudição, de Absorção e de Bodhisattva). Para os discípulos de Sakyamuni, o Buda expôs os ensinos dos três veículos como trampolim para ajudá-los a avançar ao destino final.



Nitiren Daishonin interpreta esta parábola sob um ponto de vista mais profundo. no Ongui Kuden (Registros dos Ensinos Orais), ele revela o princípio de que o castelo encantado representa as nossas vidas como mortais comuns. A terra do tesouro representa o Estado de Buda.





Ou seja, as nossas vidas contêm o Estado de Buda. Nós somos seres transitórios ou mortais, que sempre sofrem com os desejos mundanos ou se acomodam com satisfações passageiras e voláteis desses desejos, voltando a sofrer.



Entretanto, Daishonin inscreveu o Gohonzon para mostrar o princípio da transformação do castelo encantado numa terra do tesouro, sem que precisemos ir a nenhum outro lugar senão dentro de nós próprios.





Quando fazemos nossa prática, recitando Daimoku ao Gohonzon, nós nos manifestamos como entidades do Estado de Buda. Então, a nossa residência, não importando onde esteja, transforma-se instantaneamente e simultaneamente em nossa própria terra do tesouro.





Para isso, precisamos, também, exercitar, com benevolência e sabedoria, a prática de semear o Sutra de Lótus, adubando, irrigando e cuidando, com carinho e devoção, da semente do Estado de Buda que existe na vida de todas as pessoas destes nossos dias.



Neste capítulo sétimo, Sakyamuni também esclarecesse que a relação entre o mestre e o discípulo não se limita a uma vida, mas continua por toda a eternidade.





Sakyamuni afirma: "Existência após existência eles sempre nasceram juntos com os seus mestres, nas terras dos Budas, em todo o universo."





Não foi por simples acaso que nós nascemos neste mundo e conhecemos o Budismo de Nitiren Daishonin, praticando sob a orientação de nosso Mestre, Daisaku Ikeda.



O mestre e o discípulo sempre nasceram no mesmo mundo, para praticarem juntos, para propagarem juntos o Sutra de Lótus e para, juntos, conduzirem as pessoas à felicidade e à sabedoria absolutas do Estado de Buda.



       

quarta-feira, 5 de maio de 2010

William Shakespeare

                
      

 Um dia a gente aprende que...




Depois de algum tempo vc aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma.

E vc aprende que amar não significa apoiar-se, q companhia nem sempre significa segurança, e começa a aprender que beijos ñ são contratos, e que presentes ñ são promessas.

Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, c/ a graça de um adulto e ñ c/ a tristeza de uma criança; aprende a construir tdas as suas estradas no hj, pq o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo, e aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam... aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai ferí-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso.

Aprende que falar pode aliviar dores emocionais, e descobre que se leva anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida; aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias, e o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida, e que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.

Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que eles mudam; percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.

Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas; pode ser a última vez que as vejamos.

Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos.

Começa a aprender que não se deve compará-los com os outros, mas com o melhor que pode ser.

Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.

Aprende que não importa onde já chegou, mas onde se está indo, mas se você não sabe para onde está indo qualquer lugar serve.

Aprende que ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.

Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências. Aprende que paciência requer muita prática.

Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se; aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou;

aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha; aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens; poucas coisas são tão humilhantes... e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.

Aprende que quando se está com raiva se tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel.

Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame não significa que esse alguém não o ama com tudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso. Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém; algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo.

Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.

Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte.

Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás, portanto, plante seu jardim e decore sua alma ao invés de esperar que alguém lhe traga flores, e você aprende que realmente pode suportar... que realmente é forte e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais.

Descobre que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida! Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar, se não fosse o medo de tentar.



William Shakespeare

domingo, 2 de maio de 2010

Carinho dos amigos do orkut


 


Adorei este Gesto de carinho de um  amigo do orkut ele  fez esta Moldura  e me  enviou
Antonio!  Obrigado
contador de visitas                        

terça-feira, 6 de abril de 2010

Bem Vindo! Comente...Deixe sua opinião e sugestões






sábado, 3 de abril de 2010

Mal do século XX DENGUE UTILIDADE PUBLICA




terça-feira, 30 de março de 2010

Licores feitos com cachaça



 Licores aprenda a faze-los em casa  ..estes  com cachaça....

Licor de Ginja (Ginjinha)


Ingredientes





5 litros de aguardente

3 kg de ginjas

10 pau de canela

3 kilos. de Açucar


Modo de Preparo


Lavar as ginjas e seca-las. Retirar  as sementes esmagalas e coloca-las num frasco de boca larga.

Juntar a aguardente, o pau de canela e o Açucar
Deixe a macerar durante cerca de dois meses em local com pouca luz, agitando de vez em quando para que  o açucar se desfaça
Passado esse tempo o licor de ginja já pode ser bebido.
 Outra  receita
Não sabia se exigia algum preparo ou coisa assim. Aí hoje, inspirada pela falta de opções, lembrei-me da garrafa de Ginja, aberta e não tomada, na geladeira. Que delícia. Céus. Ginjinha, mon amour.. valeu a espera. Com gelo, refresca que é uma beleza.




Tá-se bem. E segue mais uma noite.



Ah, da pra fazer em casa, o licor. As ginjas são tão parecidas com as cerejas, que acho que dá pra enganar, hein



Ingredientes:

2 quilos de açucar refinado

1 litro e ½ de conhaque

1 garrafa de vodka

5 quilos de Ginjas

3 litros de água



Preparo:

Lavar bem as ginjas. Colocar numa panela com a água, deixando em fogo lento até que as frutas se abram. Retirar do fogo e deixar arrefecer um pouco. Extrair a polpa das ginjas com o espremedor e tornar a levar ao fogo, juntado quase 2 quilos de açúcar refinado. Aproveite toda a água em que as ginjas foram cozidas. Deixar ferver durante cerca de ½ hora. Apagar o fogo e deixar arrefecer bem. Passar por uma peneira fina e acrescentar a vodka e o conhaque. Misturar muito bem e filtrar, colocando um chumaço grande de algodão no fundo do funil. Trocar o algodão de vez em quando para que fique bem filtrado. Deixar em garrafas hermeticamente fechadas por 30 a 60 dias. Se preferir um licor mais fraco, diminua a dose de vodka.








Nota: Quanto mais tempo ficar a macerar, melhor fica

Licor de folhas de figueira


Ingredientes:





7 folhas de figueira

5 litro de aguardente

5 litro de agua
5 k. de Açucar
Modo de Preparo

Juntar as folhas de figueira, previamente lavadas, com a aguardente, e deixar a macerar durante 15 dias, passado este tempo, coar.

Levar aofogo a água e o  açucar e deixar ferver 3 minutos, retirar do fogo e deixar esfriar um pouco um pouco e juntar a aguardente, filetar e engarrafar




Licor de Frutos Silvestres


Ingredientes





3 kilos frutos silvestre congelados

5 litros de aguardente

 5 kilos de açucar e 5 litros de agua



Modo de preparo



colocam-se os frutos silvestres a macerar com a aguardente 2 ou 3 semanas, passado este tempo coloca-se a aguardente e mede-se.

Leva-se ao  fogo a igual quantidade de agua e açucarcar, deixa-se ferver 3 minutos, retira-se do fogo, junta-se a aguardente, filtra-se e engarrafa-se



NOTA: da mesma forma, tb se pode fazer licor de amoras (das amoreiras dos bichos da seda) e framboesas




A base é a mesma  para todos os licores feitos com cachaça.

quinta-feira, 25 de março de 2010

Aprender. reaprender, validar os segundos,transformar sonhos em realizações



Aprendemos com o tempo....


Um dia nós aprendemos que amar vale a pena, ainda que após vários cortes feitos no coração, várias feridas na alma.

Aprendemos que apesar da distância, é possível manter a amizade, o amor, a solidariedade...

Que nem sempre grandes gestos são as traduções perfeitas do amor que une as pessoas. Aprendemos que depois de um tempo, pais deixam de ser super heróis e passam a ser o vilão da história e que nesta hora o mais importante é saber perdoa-los, ama-los, entendermos as suas razões.

Com o tempo, a gente se acomoda com a vista da janela e quando resolve se levantar, o sol já se pôs e lua começa a apontar.

Que mudanças são necessárias, dores, sofrimentos igualmente.

Que o perdão é o grande propulsor da vida, muitas vezes é melhor sofrer calada, aceitar, temporariamente uma situação, e ter a sensibilidade para enxergar as coisas que a vida nos revela, até chegar o dia em que toda a dor deve ser revelada, desmascarada, posta em pratos limpos ,para que nós possamos seguir o nosso caminho novamente livres destas amarras que nos impedem de olhar e caminhar para frente.

Aprendemos que apesar da excitação, da relutância, é necessário largar algumas bagagens pelo caminho para que no dia de amanhã possamos adquirir outras mais leves. Que só o tempo tem o poder de transformar passado em presente, o presente em futuro e o futuro em passado.

Aprendemos que o TEMPO é o Senhor das respostas não dadas num dado momento, é o remédio para aquelas dores que julgamos ser intermináveis ou eternas. Que quando achamos que já chegamos ao fundo do poço, somos tomados por uma força sem precedentes e jogados de volta a terra firme. Renovados, repaginados e mais forte como nunca.

O tempo ensina a importância e a necessidade de um sorriso sincero, de um amigo, de um amor; de um abraço apertado, do silêncio...

Aprendemos que não há alternativa para novas oportunidades senão o “Sim” ou o “Não”. Tudo depende de nossa coragem.

Sabemos que as crianças são seres dotados de pureza e conhecimento que transcende a alma dos adultos, revelando-nos suas sensações, seus traumas, seus sentimentos mais íntimos, portanto, nunca se deve mentir a uma criança.

Aprendemos que conversar com velhos equivale a milhares de leituras de livros de auto ajuda e que cada ruga ali visível, tem uma história para contar, portanto, para que elimina-las?

Com o tempo aprendemos que ser feliz requer o auto conhecimento, a presença de amigos, de um amor, de uma paixão, de um trabalho. Que a ociosidade atrofia o cérebro, reduz a capacidade de percepção do mundo que corre ao nosso redor, empobrece o espírito.

Aprendemos que valores primitivos não se perdem no tempo e são sempre bem vindos. Que um coração vazio, sem amor, sem paixão nos torna frios, insensíveis, egoístas e que sempre vale a pena recomeçar, virar a página e reescrever a nossa trajectória

Tempo, ah o tempo... tão complexo, tão efémero.. tempo.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Contador a hora do planeta



quinta-feira, 18 de março de 2010

A Vida Ensina



A Vida Ensina
Se você pensa que sabe; que a vida lhe mostre o quanto não sabe.


Se você é muito simpático mas leva meia hora para concluir seu pensamento; que a vida lhe ensine que explica melhor o seu problema, aquele que começa pelo fim.

Se você faz exames demais; que a vida lhe ensine que doença é como esposa ciumenta: se procurar demais, acaba achando. Se você pensa que os outros é que sempre são isso ou aquilo; que a vida lhe ensine a olhar mais para você mesmo.

Se você pensa que viver é horizontal, unitário, definido, monobloco; que a vida lhe ensine a aceitar o conflito como condição lúdica da existência.Tanto mais lúdica quanto mais complexa.

Tanto mais complexa quanto mais consciente.Tanto mais consciente quanto mais difícil.

Tanto mais difícil quanto mais grandiosa. Se você pensa que disponibilidade com paz não é felicidade; que a vida lhe ensine a aproveitar os raros momentos em que ela (a paz) surge.

Que a vida ensine a cada menino a seguir o cristal que leva dentro, sua bússola existencial não revelada, sua percepção não verbalizável das coisas, sua capacidade de prosseguir com o que lhe é peculiar e próprio, por mais que pareçam úteis e eficazes as coisas que a ele, no fundo, não soam como tais, embora façam aparente sentido e se apresentem tão sedutoras quanto enganosas. Que a vida nos ensine, a todos, a nunca dizer as verdades na hora da raiva.

Que desta aproveitemos apenas a forma direta e lúcida pela qual as verdades se nos revelam por seu intermédio; mas para dizê-las depois. Que a vida ensine que tão ou mais difícil do que ter razão, é saber tê-la. Que aquele garoto que não come, coma.

Que aquele que mata, não mate. Que aquela timidez do pobre passe.

Que a moça esforçada se forme. Que o jovem jovie.

Que o velho velhe. Que a moça moce. Que a luz luza. Que a paz paze.

Que o som soe. Que a mãe manhe. Que o pai paie. Que o sol sole. Que o filho filhe. Que a árvore arvore.

Que o ninho aninhe. Que o mar mare. Que a cor core. Que o abraço abrace. Que o perdão perdoe.

Que tudo vire verbo e verbe. Verde. Como a esperança. Pois, do jeito que o mundo vai, dá vontade de apagar e começar tudo de novo. A vida é substantiva, nós é que somos adjetivos.

Ainda sonho



Envelheço. Aos poucos vou me tornando antiga. Os cabelos alvejam, a pele afina, o olhar acalma. Sou noviça, mas quero ser a melhor aprendiz de uma nova fase de vida; fase em que as despedidas são numerosas e os encontros espaçam. Quando as saudades ganham força e as nostalgias, frequência.




Aprendo a encarar limites. Não me atrevo a algumas peripécias: subir em prancha de skate, brigar no trânsito, viajar pedindo carona, tomar banho de praia sem bloqueador solar, querer ser política.



Aprendo a ter calma. Conto os anos e percebo que na grande crise ambiental de 2060, não estarei por aqui. Mas não me afobo. Domei os ímpetos, reavaliei as empreitadas juvenis, agora vou sem pressa. Obrigo o relógio da alma a caminhar com lentidão. Destrincho os compromissos, sacudo as agendas e sacralizo o ócio. Presenteio-me com a irresponsabilidade. Consciente, procrastino.



Aprendo a ser sensível. No passado, engolia o choro, disfarçava a tristeza, fugia da melancolia. Fiz as pazes com as lágrimas. Falo sozinha. Aconselho-me com os botões. Esmurro o volante do automóvel, fecho as janelas e xingo. Soluço prantos sem lágrimas. Aprecio a liberdade de vertebrar angústias. Ajoelho-me aos pés da cama e silencio o sofrimento.



Aprendo a calar. Não retruco. Desprezo o direito de ter razão. Atrai-me brincar com argumentos. Só penso em poetizar lógicas. Desejo realçar a beleza. Apaixonada pela delicadeza do violino, apiedo-me de quem imagina conhecer toda a verdade. Música suave, na penumbra de uma sexta-feira chuvosa, me encanta – mais que palestra sobre como alcançar sucesso.



Aprendo a sorver o pólen da vida; a mergulhar em cavernas rochosas onde me escondia de mim mesma; a acordar vagarosa para não espantar os sonhos que povoaram o sono, e me presentearam com viagens por mundos impossíveis.



Envelheço e não acho tão ruim; por enquanto, pelo menos.

Bate papo artesanatos

Bate papo artesanatos
Clik aqui
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

Clik aqui e volte a Pagina Incial de todos os Blogs

Clik aqui e volte a Pagina Incial de todos os Blogs
Clik Aqui